Por quê o pilates é o melhor amigo dos bailarinos

Resolvi pegar carona no sucesso do desafio do Pilates proposto nas nossas redes sociais (não acompanha a gente ainda? Somos @oitotemposblog no Twitter, Instagram e Facebook!) e falar um pouquinho sobre esse queridinho dos bailarinos e se o santo é milagroso, mesmo!

Pra começar, o Pilates foi criado por um autodidata alemão chamado Joseph Pilates. Por conta da infância cercada de doenças (ele sofria de raquitismo, asma e febre reumática), começou a estudar fisiologia e medicina oriental para que não acabasse numa cadeira de rodas. O resultado dessa pesquisa ele pôs em prática em exercícios, que acabaram virando esse método de alongamento e fortalecimento muscular.

Ele é febre entre bailarinos: Tamara Rojo, diretora artística e primeira bailarina do English National Ballet, volta e meia publica uma foto dela em aula. Steven McRae (o da primeira foto), principal do Royal Ballet, faz propaganda desse método abertamente, e diz que é de onde tira força e flexibilidade para dançar. Nossas leitoras Tatiana Schwartz e Juliana Vasconcelos, que participaram do ‘desafio do pilates’, também são entusiastas.

 

Tati2
Nossa leitora Tatiana Schwartz e sua abertura negativa (Foto: Instagram)

Mas os benefícios para os bailarinos realmente são grandes? Para saber disso conversei com Tatiana Rocha, fisioterapeuta e bailarina, que tem um studio de Pilates (o Ponto de Equilíbrio) e pedi a ela que me dissesse o que essa modalidade faz para quem dança. Pelo que dá pra ver, é só coisa boa!

  • Ganho de flexibilidade
  • Ganho de força e resistência muscular
  • Equilíbrio muscular
  • Alinhamento das estruturas corporais
  • Ganho de equilíbrio e eixo corporal através da consciência do centro de gravidade
  • Fluidez nos movimentos
  • Preservação das articulações, estabilizando e mobilizando-as
  • Reduz o risco de lesões

 

E dá resultado?

Experiência própria: eu já fiz musculação convencional em academia e fiz pilates também. Para tonificar a musculatura geral, tanto academia quanto o pilates funcionam bem. Mas o pilates tem o diferencial do alongamento, e trabalha muito a musculatura interna, que é bastante exigida na dança. Fora que não hipertrofia tanto quanto a musculação, deixando a musculatura mais alongada (prefiro)!

O único ponto negativo do pilates é o preço, que proporcionalmente é mais alto do que a mensalidade de uma academia (motivo pelo qual ainda não voltei a praticar, haha!);  massss se você pode investir, vá na fé!

Pra estimular, olha Juliana Vasconcelos arrasando no abdominal!

Anúncios

Grupo de Dança Contemporânea da UFBA lança espetáculo sensual

Uma coisa que eu acho importante em grupos contemporâneos, especialmente os que estão baseados em universidades ou têm no elenco universitários, é a ousadia. Quantas vezes a gente ouve falar das mesmas linhas de apresentação, com espetáculos com a mesma temática?

Por isso que fiquei super satisfeita quando meu amigo bailarino Guego Anunciação (maravilhoso, por sinal!) me mostrou essa iniciativa do Grupo de Dança Contemporânea da Universidade Federal da Bahia (GDC da UFBA), que trata de… sexo! Não amor, não sentimento, só o prazer carnal, nu e cru, e os rompantes de excitação (e até mesmo violência) que acompanham.

O nome da apresentação já diz tudo: Cuspe, Paetê e Lantejoula. Quem assina esse trabalho é Lulu Pugliese e Lucas Valentim, que conta com seis bailarinos da GDC da UFBA – que comemora seus 60 anos, aliás! Eu já assisti a alguns trabalhos de grupos de dança da UFBA e, normalmente, eles não fogem da raia e entregam exatamente o que prometem. As coreografias são bem diferentes e usam dinâmicas super ousadas para integrar bailarinos, música e conceito – mulheres carregando homens, nudez no espetáculo, sons emitidos pelos dançarinos durante os movimentos… É outra ‘viagem’!

Vale a pena lembrar que a Escola de Dança da UFBA é a primeira a de ensino superior em dança no Brasil, então vanguarda é com ela mesma!

 

Onde: Teatro do Movimento da UFBA (Av. Adhemar de Barros, s/n, Ondina, Salvador – BA)

Quando: 16/9 (19h), 17/9 (18h), 19, 20, 29 e 30/9 (20h)

Quanto: R$ 8 (inteira ) e R$ 4 (meia) – estudantes da UFBA não pagam, bastando apresentar confirmação de matrícula

PS: A foto é de Aldren Lincoln

Vídeo da Semana ESPECIAL da Cerimônia de Abertura Rio-2016

Como prometido, esse #videodasemana é diferente e especial: analisamos o que teve de dança na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos Rio-2016, que teve coreografia de Deborah Colker e bailarinos da companhia que leva seu nome.

Primeiro: o que foi essa abertura, gente? Foi muito emocionante, cheio de efeitos especiais e batendo na tecla daquela coisinha que a gente vive falando aqui: inclusão e empoderamento. Na coreografia, isso foi representado pelas danças populares de várias regiões do país – teve samba, maracatu, funk, passinho…

funk
Teve Carol Konka e MC Soffia conduzindo o rap e batidão na cerimônia

A coreografia de Deborah Colker também foi variada: ela que ‘conduziu’ 1500 pessoas no palco em alguns momentos de cenografia, e, em outros, bailarinos profissionais e acrobatas em partes mais específicas, em que se trabalhava com efeitos especiais.

Um deles foi o parkour: os bailarinos foram apresentados com a ilusão, em 3D, de prédios subindo no solo do Maracanã. Tudo foi tão bem ensaiado que a gente jurava mesmo que o pessoal pulava de prédio para prédio, e não que eles, na realidade, não enxergavam as projeções. Isso a própria Deborah comentou em entrevista à SporTV, hoje de manhã.

“Trabalhei com acrobacia e, com o parkour,eu tinha que fazer as pessoas acreditarem nas projeções dos prédios, que eram fake. A gente teve que estudar o espaço, e depois foi experimentando ao vivo a partir do que seria a projeção, vendo o momento de subida e descida dos prédios. E tem uma turma danada de acrobacia, de saltos, de parkour… Depois dos prédios subindo, quando eles vão para o ‘morro’, na verdade são 72 caixas e 32 pessoas fazendo parkour. Então eu criei rotas de parkour para se chegar aos lugares. Eu não tive uma quantidade de ensaios suficientes, então tive que estar pré-preparada”, explicou.

rodas
Inspiração! Cerimônia x VeRo

Quem conhece o trabalho de Deborah Colker viu várias cenas na cerimônia de abertura. “VeRo”, da roda, “Velox”, das paredes, e “Casa”, de ambientes internos. Isso tudo foi misturado, como disse, com estilos populares, como o carioquíssimo funk. A mistura de cores e luzes deu uma cara toda especial para a dança.

Pra terminar com conteúdo, deixamos pra própria Deborah o resumão da obra! “Eu sempre falei que a gente estava construindo um espetáculo, que seria no próprio Maracanã, para milhares de pessoas, mas que seria, também, televisionado por 60 câmeras. E a organização desses ensaios foi complicada! A gente teve cenas com 1500 pessoas. E eu adoro precisão, sou perfeccionista. Sou que nem o pessoal do esporte, adoro competir e adoro ganhar”, disse ao SporTV. Mandou bem!!!

Atenção: o vídeo abaixo é de ensaio. O blog não tem direito de reproduzir imagens em movimento da Olimpíada, infelizmente! Preferi colocar um ensaio a fazer compilação de imagens, como muitos veículos de imprensa fizeram.

Quer ver mais #videodasemana? Clique aqui!

Márcia Jaqueline: “O Theatro Municipal do Rio de Janeiro é feito de tradição”

Primeira bailarina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Márcia Jaqueline é uma das bailarinas brasileiras mais bem-sucedidas aqui no país. Ela começou seus estudos de ballet clássico na Escola Estadual de Dança Maria Olenewa e, aos 14 anos de idade, formou-se e foi logo chamada pelo Theatro Municipal do Rio de Janeiro (TMRJ) para trabalhar como bailarina estagiária. O convite partiu do então diretor Jean-Yves Lormeau. Ela foi tão bem que, dois anos depois, foi contratada para o corpo de baile do TMRJ – instituição que ela nunca deixou. Aqui ela fala um pouquinho sobre sua carreira, com o é ser dançarina no Brasil, momentos marcantes no palco e fora dele… E algumas coisinhas a mais!
marcia1
Márcia Jaqueline como Kitri, em Dom Quixote
Ser primeira bailarina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro é coisa para poucas. Acha que o cargo vem com um ‘peso’ da tradição?
Com certeza, eu estou numa companhia onde Bertha Rosanova foi primeira bailarina, e outros grandes nomes da dança brasileira, como Cristina Martinelle, Aurea Hammerli, Nora Esteves, Ana Botafogo, Cecília Kerche…O Theatro Municipal é feito de tradição e ser primeira bailarina hoje me faz querer continuar escrevendo essa história que há anos vem sendo construída, sempre respeitando os que começaram esse trabalho.
Muitos bailarinos e bailarinas brasileiros estão decidindo sair do país para conseguir apostar em suas carreiras. Continuar no Brasil é um ato de resistência?
Eu acho que não somos valorizados o tanto que merecemos. Os bailarinos que estão aqui são incríveis, mas estamos sempre precisando superar alguma dificuldade que nos é colocada. Sempre nos é dito que não somos prioridade. Claro que estamos muito defasados em várias áreas, como educação e saúde, mas há muito tempo se ouve que vão priorizá-las também e não vejo melhorias. Se até lá demora, então até chegar alguma melhoria na cultura acho que vai demorar muito ainda. Isso se chegar um dia. Por isso tantos talentos indo embora, e nós que ficamos, fazemos porque amamos nosso Theatro, nosso público – esses sim, nos dão força pra continuar.
marcia3
Foto clássica Giselle, no segundo ato do ballet

 

Você já pensou em dançar fora?

Eu nunca pensei, não, sempre quis fazer carreira aqui e dançar para os que eu amo.  E também nunca quis ficar longe da minha família. Nossa carreira não é fácil, todo dia temos que provar que somos capazes, são muitas dores,  às vezes decepções. Longe deles, que são meu alicerce, eu não conseguiria.
Sua história com o ballet começou muito cedo, aos três anos – e aos 14 você começou sua carreira no TMRJ. Você sempre quis ser bailarina?
Dos três aos nove anos eu fazia jazz, nunca pensei em ser bailarina profissional, não. A paixão veio quando entrei para a Escola de Danças Maria Olenewa. Ali eu estava tão pertinho dos bailarinos do Theatro, assistindo os balés, aí sim a vontade foi crescendo dentro de mim.
Todos os grandes dançarinos tiveram – ou têm – grandes mestres. Quem foi que mais te marcou enquanto aluna?
Três professoras me marcaram enquanto aluna, porque além de me ensinarem, cuidaram de mim como uma filha também. Tia Edy (Edy Diegues), tia Amelinha (Amelia Moreira) e tia Regina (Regina Bertelli). As duas últimas não estão mais nesse mundo, mas tia Edy continua sempre comigo, me liga sempre, nunca esquece meu aniversário, e sempre que nos falamos diz que estou sempre em suas orações.
maarcia4
Márcia como Nikyia, em La Bayadère

Na sua carreira você já dividiu o palco com várias estrelas – uma delas foi Marcelo Gomes, no ano passado, quando dançaram O Quebra-Nozes. Tem algum momento que você considere como o mais memorável da sua vida na dança?

Foi incrível dançar com Marcelo, com certeza umas das experiências mais incríveis da minha carreira. Eu tive vários momentos memoráveis, cada balé que me é dado é um desafio, que quando dançado fica guardado pra sempre. Tem um momento muito especial sim, foi em Romeu e Julieta, que foi remontado por Marcia Haydée. Passei dois meses com ela na sala ensinando o balé. Eu já admirava muito  toda sua história e carreira, mas fiquei mais encantada ainda com sua generosidade. Ela passava cada detalhe, cada sentimento, e quando ela mostrava alguma cena, era um momento de pura emoção – muitas vezes não conseguia segurar as lágrimas. É uma verdadeira diva, sou muito fã.
Você tem algum sonho não realizado? Qual é?
As coisas que sonhei quando estudante de balé , eu realizei. Claro que sempre quero mais! Acho que não um sonho, mas um desejo, é dançar mais fora do Brasil. Sonho, eu tenho um sim, mas isso mais pra frente, quando estiver parando de dançar. Não posso contar ainda.
Um pouquinho de Márcia Jaqueline em cena! Ela e Cícero Gomes no pas de deux d’O Quebra Nozes no TMRJ.
*Todas as fotos foram tiradas do site oficial de Márcia Jaqueline