World Ballet Day 2018 – Australian Ballet

WorldBalletDay

Outubro chegou e, para quem vive no meio da dança, isso significa duas coisas: temporada de ensaio (vem, festival!) e, claro, o World Ballet Day! Essa transmissão que contempla cinco das maiores companhias de dança do mundo já se tornou tradição.

E, desde 2015, a gente acompanha tudinho e deixa aqui nosso registro!

(Quer ver nossos arquivos? Clique aqui para 2015, aqui para 2016 e aqui para 2017).

Tegan e David
Apresentação foi criticada por internautas. (Foto: Reprodução)

Como em todos os anos, o Australian Ballet faz a abertura da transmissão. Muita gente criticou a participação da apresentadora, Tegan Higginbothan, e dos profissionais que comentavam a transmissão com ela (na aula, foi David McAllister, diretor artístico da companhia, enquanto nos ensaios foi o bailarino Jarryd Madden, artista sênior).

Realmente teve muita conversa, muitas curiosidades e bastante explicação na parte do Australian. Mas eu, sinceramente, não me senti incomodada. Acho legal que esse evento seja atraente tanto para quem não entende muito de ballet (passo, logística, a hierarquia das companhias) quanto pra quem já manja da coisa. Saí mais culta!

A aula foi ministrada por Fiona Tonkin, “coach” principal do Australian. Babei nas demonstrações dos passos! Que pés lindos, que limpeza nos movimentos! Um arraso. E não é para menos: Fiona foi primeira bailarina da companhia e está aposentada dos palcos desde 1993. Ela e David, aliás, dançaram juntos! Quer ver? Tem um vídeo aqui!

Fiona Tonkin
Fiona Tonkin, senhoras e senhores! (Foto: Reprodução)

A aula dela é muito, muito técnica. Na barra, muitos tendues e exercícios de aquecimento da musculatura interna da coxa. Ela pede um atenção nas posições, especialmente em passagens no passo (por exemplo, marcar bem a primeira posição no ronde de jambe) e sobretudo agilidade no fechamento das quintas.

No centro, mais do mesmo. São vários passos no centro prático, com tendues, mudança de direção e transferência de peso. A transição para as piruetas é suave: primeiro um relevé, depois uma pirueta simples e só depois duplas e triplas. Achei interessante!

O adagio é beeeeeeem difícil! Muita transferência de peso e promenade. Até Jarryd reclamou… Os allegros tinham muitas baterias e combinações mais complexas. Achei os grandes saltos a parte mais difícil da aula! Mas, em compensação, o pessoal saiu ‘prontinho’ pros ensaios!

Adagio no centro
O adagio da morte! (Foto: Reprodução)

Falando em ensaios…

O primeiro ganhou meu coração com bondade: a ‘visão’, do segundo ato d’A Bela Adormecida, parte um pouco ‘desconhecida’ desse clássico. E gostei ainda mais porque Amy Harris, uma das minhas bailarinas preferidas do Australian Ballet – recentemente promovida a artista principal – interpretava a Fada Lilás. Robyn Hendricks e Ty King Wall eram Aurora e Désiré, respectivamente.

A Bela Adormecida
Ensaio d’A Bela Adormecida (Foto: Reprodução)

A parte alta foi ver a limpeza do corpo de baile a as orientações da répetiteur Elizabeth Toohey. Tudo mi-li-me-tri-ca-men-te inspecionado. Boas dicas para quem ensaia ou faz parte de corpo de baile!

Tivemos ensaios de Cinderella, Coppélia, Giselle e Aurum, coreografia de Alice Topp que faz parte um projeto contemporâneo, Verve, que reúne trabalhos de profissionais australianos. Achei a coreografia maravilhosa, em especial o duo de Coco Mathieson e Adam Bull.

Contemporâneo
Coco Mathieson e Adam Bull em Aurum, de Alice Topp (Foto: Reprodução)

O último ensaio foi Spartacus. Confesso que esse não é, nem de longe, meu ballet preferido. Mas adorei a dinâmica e a entrega dos bailarinos. A química entre Robin e Kevin Jackson é incrível!

E o ensaio da cena de luta é bem divertido… Vale a pena conferir!

No final, fiquei triste de não ver Lana Jones, outra bailarina do Australian Ballet que adoro. Mas fiquei feliz em ver que ela vai dançar Sylvia, ballet que está na programação de 2019 da companhia. Agora é aguardar a produção!

Veja a participação do Australian Ballet aqui:

Galeria de fotos:

Anúncios

World Ballet Day 2016 – San Francisco Ballet

O World Ballet Day termina do mesmo jeito que começa: com uma companhia super inovadora. Dessa vez falamos do San Francisco Ballet, que, apesar de ser a primeira companhia dos Estados Unidos, está sempre trazendo novidades no repertório, nas coreografias originais e no elenco.

E que elenco! Basta dar uma olhadinha na aula para ver do que a gente tá falando. Temos a ex-Opéra de Paris Mathilde Froustey (bailarina favorita de Felipe), a russa prodígio Maria Kochetkova (a minha bailarina preferida da companhia!), o mito cubano Lorena Feijoo… A própria apresentadora, a ex-primeira bailarina Joanna Berman, comentou que eles têm bailarinos de várias nacionalidades, inclusive da Ásia, África e América do Sul. Vale lembrar que um dos primeiros bailarinos, Vitor Luiz, é brasileiro!

Aula

Mathilde sendo limpa e aristocrática
Mathilde sendo limpa e aristocrática

Quem ministra a aula é o maître de ballet Felipe Diaz, que também conduz alguns ensaios. A aula é bem técnica, com vários exercícios de alongamento de tendão e aquecimento da musculatura interna (como tendues e glissés rápidos).

No centro, VÁRIAS piruetas. De todas as formas, Com terminações diferentes. Eu mesma sofreria horrores nessa parte!

Mathilde Froustey não estava num dia muito inspirado para girar, mas a limpeza técnica dela é impressionante. Em todos os passos ela marca direitinho a intenção do movimento, raramente se conserta nas poses e tem aquela cara de francesa maravilhosa que te despreza. Mito!

Maria Kochetkova
Maria Kochetkova: uma primeira-bailarina alternativa!

Outro momento engraçado é ver como Maria Kochetkova fica sem graça diante das câmeras. Curioso, já que ela é super desenvolta em suas redes sociais. Ela faz aula com roupas super inusitadas: calção de boxe, meia de jogador de futebol e casaco com capote. Roupagem bem alternativa para uma primeira bailarina!

PS: Se isso ajudar a levantar a perna como ela e girar mais de quatro piruetas numa preparação, a gente veste qualquer coisa!

Ensaios

Diferentemente das outras companhias, o San Francisco Ballet nos presenteou com VÁRIOS ensaios durante sua transmissão. E abusaram da tecnologia enquanto isso: a GoPro voava na sala e chegava bem pertinho dos bailarinos, dando um ângulo diferente daqueles que estamos acostumados.

haffner-symphony2
Ensaio de Haffner Symphony

O primeiro foi Haffner Symphony,com  música de Wolfgang Amadeus Mozart e coreografia de Helgi Tomasson. Quem estavam nos papéis principais eram Sasha de Sola e Carlo Di Lanno. Não conhecia esse repertório, mas a música de Mozart realmente é algo diferente. O ouvido dança quando escuta! Adorei a coreografia: tem um jeito meio Nureyev de movimentação, com um passo em cada tempo de música, o que deve tornar os ensaios particularmente exaustivos.

Em seguida veio o trabalho original de Yuri Possokhov, com música de Ilya Demutsky. Achei bem legal o coreógrafo, ex-Bolshoi, dizer como ele prefere trabalhar: no caso dele com música criada especialmente para o ballet. Foi apenas a partir da música que ele teve a ideia do repertório, que tem a ver com marinheiros que se sacrificaram pela revolução socialista na Rússia. Achei histórico! No elenco temos a maravilhosa Lorena Feijoo, que carrega bastante na dramaticidade que a música pede.

frankenstein

Sucesso incontestável em Londres, quando estreou em maio pelo Royal Ballet, Frankenstein de Mary Shelley será apresentado em fevereiro pelo San Francisco Ballet. Segundo o San Francisco, o trabalho foi feito em parceria entre as duas companhias, e por isso o SFB tem o direito de apresentar logo após o Royal. O ensaio contou com os principais Joseph Walsh e Frances Chung nos papeis de Viktor Frankenstein e sua noiva, Elizabeth, no momento em que ele a pede em casamento. A música de Lowell Libermann é tenebrosamente linda: mesmo nas horas mais felizes ainda tem aquele pouquinho de macabro nas notas. A coregrafia de Liam Scarlett é bem suave, compatível com a música, e nossa, os bailarinos mandaram MUITO bem. Fiquei com mais vontade de assistir!

Diamonds, Pas/Parts e Cinderella também fizeram parte dos ensaios transmitidos pelo San Francisco. Como ficaria muuuuito grande analisar todos eles, preferimos ficar por aqui e convidar vocês a fazer essa resenha!

Quer ver nossa galeria de fotos? Clica aqui!

O San Francisco Ballet foi a última companhia que analisamos. Também tem post sobre o Australian Ballet, Bolshoi, Royal Ballet e National Ballet of Canada. Quer comparar com o que teve no ano passado? Dá uma olhadinha aqui!

O vídeo completo você encontra aqui:

Vídeo da semana #13!!

mathilde
Mathilde e Lola ensaiando detalhes dos movimentos (Foto: Reprodução)

Hoje nosso #videodasemana é um pouquinho diferente: em vez de uma produção de dança, escolhemos mostrar uma bailarina “entrando” no personagem. E não é qualquer bailarina e nem qualquer personagem: falamos de Mathilde Froustey, principal do San Francisco Ballet, que encara Odette/Odile pela primeira vez!

Primeira coisa que temos a dizer: amamos esse sotaque francês dela! Dá vontade de apertaras bochechas toda vez que ela carrega um pouquinho mais. Vale ressaltar que sim, ela é francesa, e formada pelo Ballet Opéra de Paris.

Uma das coisas principais que Mathilde ressalta é que ela sentiu muita dificuldade com os braços, justamente por serem a marca registrada do ballet. São movimentos que exigem muito contorcionismo e que não são utilizados em outros repertórios. O vídeo é todo em inglês, então, se você não fala/entende muito bem, selecionamos algumas partes para traduzir.

“Dançar Odette/Odile é um passo grande. É minha primeira vez dançando O Lago dos Cisnes, então é muita pressão. Quando a gente começa a dançar ballet quando pequena, a maior referência que você tem é d’O Lago, por causa da música, dos tutus, dos braços, é a primeira coisa que você pensa. Acho que tive um ou dois dias de pânico!”, confessou a bailarina.

A maitresse que treina a Mathilde se chama Lola De Avila. Para ela, que já passou esse repertório muitas vezes para vários dançarinos, esse é um momento especial, já que Mathilde nunca dançou O Lago dos Cisnes e vem sem “vícios”.

“O que eu gosto mais é o que estou fazendo agora, que é ensinar quem nunca dançou. Quando você faz esse trabalho, é algo muito emocional, porque você tem que mostrar o bom e o mau nos dois personagens”, explicou Lola.

mathilde3
Olhar matador de Mathilde como Odile! (Foto: reprodução)

Para finalizar, Mathilde diz como faz para diferenciar uma personagem da outra. “Com Odette eu procuro fazer os movimentos mais longilíneos, mais demorados, e com Odile é totalmente o oposto. Ela pula muito, faz muitas piruetas. Você pode interpretar esse ballet como quiser! Pode usar o cisne como metáfora para uma mulher ou tentar representar mais o pássaro”, finalizou.

 

Vamos ao vídeo!

 

Confira nosso arquivo!

Vídeo da semana #12

Vídeo da semana #11

Vídeo da semana #10

Vídeo da semana #09

Vídeo da semana #08

Vídeo da semana #07

Vídeo da semana #06

Vídeo da semana #05

Vídeo da semana #04

Vídeo da semana #03

Vídeo da semana #02

Vídeo da semana #01

San Francisco Ballet – World Ballet Day

sf 02
Bailarinos em aula

Músicas ao piano, sala ampla, clara e cheia de bailarinos, talvez uma das salas mais cheias desse World Ballet Day 2015. Tivemos a honra de acompanhar a aula e ensaios em tempo real do San Francisco Ballet no dia 1º de outubro, quando outras quatro companhias abriram suas portas e deixaram os fãs da dança um pouco mais perto da rotina de seus ballets preferidos. Vamos então a um pouco sobre como foi esse dia para a companhia.

Sobre a aula:

A aula foi ministrada por Felipe Diaz, mestre de ballet da companhia desde 2013. Ele já foi solista do San Francisco Ballet, English National Ballet e Dutch National Ballet. Já de início começamos a acompanhar a aula através das piruetas no centro (não tivemos a transmissão ou vídeo posterior da barra, infelizmente!). Podemos ver que a maioria das bailarinas estão de ponta, já com intuito de aquecimento para seus ensaio pós-aula e aperfeiçoar a técnica de pontas (balances, posés, piruetas, etc.)

É possível perceber que os passos são até sequências simples, mesmo que no nível avançado, mas nada de impossível. A companhia capricha em limpeza técnica, amplitude de movimento, mais giros e mais equilíbrio. Ela consiste basicamente na manutenção da técnica que o bailarino já possui, com algumas correções de tempo, estilo ou exigência física do próprio mestre.

Helgi Tomasson, diretor artístico e principal coreógrafo da companhia, conta que o San Fran é constituído não só de bailarinos americanos, mas também de diferentes nações como Japão, China, Austrália, Cuba, Brasil :-), Argentina, dentre outros mais, possibilitando um intercâmbio cultural entre os bailarinos. Vale ressaltar que um dos primeiros bailarinos é brasileiro: Vitor Luiz.

Sobre os ensaios:

Tivemos início com o tradicional ballet “Giselle”, com música composta por Adolphe Adam e adaptação da coreografia original de Petipa pelo próprio Helgi Tomasson. Temos aí o segundo ato desse ballet, com uma atmosfera mais austera, o oposto do primeiro ato, que é bastante alegre. O corpo de baile, apesar de aparecer bem pouco nesse ensaio, se mostrou muito sincronizado com braços e respiração iguais. Sou um grande suspeito para falar pois AMOOO esse ballet e sou particularmente apaixonado pelo segundo ato, que sempre me emociona. Futuramente terei a oportunidade de comentar mais sobre meu amor incurável por essa obra!!

O ensaio de “The Fifth Season” apresenta nuances interessantes entre as duas partes apresentadas: a primeira mais leve e romântica e a segunda um tango mais forte e preciso com quatro bailarinos. Destaque para a Mathilde Froustey, ex-solista do Ópera de Paris e destaque como atual primeira bailarina da companhia. “Rush” possui um quase total destaque para a bailarina, enquanto seu partner serve mais como seu suporte, valorizando-a muito bem. Durante os intervalos dos ensaios, os bailarinos vão respondendo a perguntas encaminhadas pela audiência, como “quando o bailarino foi levado a ver o ballet como algo sério” e “as lições mais importantes que aprenderam em suas carreiras”.

“Theme and Variations” é uma coreografia precisa de um jeito que somente Balanchine poderia ter criado. Ao som da música de Tchaikovsky, os bailarinos, em muita harmonia, excutam as sequências desse ballet. Talvez a principal característica dos enredos de Balanchine seja a grande participação do corpo de baile na obra como um todo. Esse é o aspecto que eu mais gosto dos ballets criados por ele.

O coreógrafo Liam Scarlett foi destaque nessa transmissão, apresentando dois de seus trabalhos. Primeiro vimos “Hummingbird”, em tradução literal “beija-flor”, um pas de deux tecnicamente mais difícil e ainda sim belo de se ver com bailarinos em quase perfeita harmonia. Depois ainda acompanhamos “Fearful Symmetries” (este que irá para a temporada 2016 da companhia), uma obra mais contemporânea e de ritmo complexo, exigindo bastante dos bailarinos que a executam. Liam ainda falou um pouco sobre seu novo trabalho, “Frankstein”, feito em conjunto com o San Francisco Ballet e o Royal Ballet. Esperaremos ansiosos por noticias desses novos trabalhos.

Ao final da transmissão, pudemos acompanhar  ainda um pouco da rotina do Houston Ballet, com ensaios, aulas da companhia e da escola do ballet. Em seguida acompanhamos a parte do centro do Pacific Nortwest Ballet, com direito a algumas legendas em inglês com curiosidades e informações sobre a companhia e seus membros.

Para ver a aula e ensaios completos, clique aqui.

Quer mais? Leia nossas resenhas do Australian Ballet, Royal, Bolshoi e National Ballet of Canada!

World Ballet Day 2015: o que teve?

Corpo de baile do Royal Ballet em aula
Corpo de baile, solistas e bailarinos principais do Royal Ballet em aula

No dia 1º de outubro aconteceu a segunda edição do World Ballet Day – a primeira foi no mesmo dia, no ano passado – e contou com streaming ao vivo de cinco companhias que são referência no mundo do ballet: Australian Ballet, da Austrália; Bolshoi, da Rússia, Royal Ballet, do Reino Unido; National Ballet of Canada, no Canadá; e San Francisco Ballet, nos Estados Unidos.

Assim como em 2014, teve aula, teve ensaio e teve pré-produção de alguns espetáculos. Teve também participação de companhias convidadas, como Czech National Ballet, Northern Ballet e o Houston Ballet. Ou seja, foi um dia inteiro de muita, muita, muuuuita dança!

O World Ballet Day não foi a primeira vez que as companhias abriram as portas de suas salas: em 2012, o próprio Royal já tinha disponibilizado transmissão ao vivo para aulas e ensaios;  o Pacific Northwestern também fez streaming de aulas neste ano e outros ballets, como o Houston, também apostaram nessa experiência. O retorno do público foi imediato.

Por que assistir é tão bom?

Normalmente, só temos acesso ao produto final dessas grandes companhias, que são as apresentações. Até então, amantes da dança não tinham como assistir ao dia-a-dia dos bailarinos, aos ensaios, aulas, ver as correções dos professores… Enfim, participar do processo de preparação dos espetáculos, desde o plié até o allegro.

Para quem dança, assistir as aulas também é uma forma de criar empatia com os bailarinos. É bom ver que eles, também, erram, caem, esquecem a coreografia e têm coisas que precisam melhorar. A única diferença é que eles erram, caem e esquecem menos! 😀

Fizemos resenhas de cada uma das companhias. Clique e confira!

Australian BalletBolshoi, Royal Ballet, National Ballet of Canada e San Francisco